sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

DOAÇÃO


Estupidez a  minha

Tentar arrancar os sentimentos da sua alma  .

Dedos inchados,

Mãos doloridas,

Vergonha.

Desejo então sua rebeldia

Você roubando o que sinto

Rasgando pele, espírito

Todos os meus sentidos.



Yasmine Lemos

25/02/2010

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

REDEMOINHO


E quase sempre o sono não vem. É a hora da ida para o deserto da minha solidão, só eu sei chegar lá e não sei sair. Redemoinhos de pensamentos. Entre olhos ardendo, cabeça latejando, personagens que invento e outros reais, reclamando um desfecho. Então percebo meu corpo cansando de esperar por mim.



Yasmine Lemos

23/02/2010

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

UMA LEITURA


Pega pelo tato

Felino indócil

Presa indefesa

Sangue



Digitais em todo corpo

Alma gritando

Eu me prendendo

Você me reescrevendo.







Yasmine Lemos

19/12/2010

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

ELA ME CALA


A poesia quieta como aprendiz constante

Não escreve letras nem frases

Mas a ouço falar dona dos meus cantos

E assim me calo em desconforto.



Yasmine Lemos

18/02/2010

ANJOS

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

domingo, 14 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

ALEGRIA SEM ALEGORIA


Como se foge do carnaval, não busco inventar fantasias. Cavo a terra até enterrar a outra que pula feliz por contentar-se com o colorido passageiro de um bloco. Quieta! Grito para mim.

No peito o abafado do grito. E continuo a cavar, procurando não me jogar, mas sepultar a mágoa, a injustiça.

O peso nas costas me empurra para o buraco, agora maior. Paro e reflito. Não é hora de ser equilibrista sem a rede de proteção. Deixo tudo de lado e quero a outra aqui.

Vestir-me de palhaço e, saltar os buracos. Perceber depois do cansaço, que pulei meu carnaval diário, sem precisar de anunciação da orquestra.



Yasmine Lemos

10/02/2010

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

ESPAÇO


Fica ao meu lado.

Dá-me seu jeito de ser.

Não importa mais quem sou.

Talvez nunca tenha sido.

Sou o que não tem o espaço preciso,

Se estiveres, eu existo.



Yasmine Lemos

05/02/2010

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

PROTEÇÃO


Quando anjo entrou pela porta, viu que não possuía asas. Homem-menino que não entende que seu vôo está no corpo, no sexto sentido que dorme. E cansado espera oração, gozo, consolação.



O corpo imóvel, o anjo parado. O amor agora acordado.


Eles voaram, se amando, sem sair do chão.


Yasmine Lemos
02/02/2010

TRECHOS DE UM QUASE CONTO





...O andar ele conheceu de longe, era Suy. Caminhava sobre pedras. O corpo estava machucado menos que a alma, olhou em volta do cenário e viu que ela havia quebrado os obstáculos, escalado montanhas. Voltava de uma batalha contra a própria vida.

As mãos ainda tinham manchas de sangue, fragmentos de cinismo, ou hipocrisia, restos de terra, areia de mar, céu sem lua. E ele sabia que ela ao chegar ao final do caminho, ele não estaria lá.

Ela deu sinais de esperança, plantou fogueiras, esquentou a comida, molhou as rosas. Era sentimento demais para receber, o peso das pedras das montanhas estava agora nos seus bolsos. Ele não pretendia morrer de amores. Não reconhecia em Suy a imperfeição e mediocridade que o motivasse a se acomodar.

Noah foi embora. Não agüentaria tanto amor por nada...



Yasmine Lemos

02/02/2010

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...