sexta-feira, 28 de maio de 2010

DE FIM DE SEMANA


E chegou mais um fim de semana. Olhar o céu com sol forte ou nublado. Olhar a mesmice e depois me espreguiçar ouvindo música, pensar em todas as coisas que não tem pressa. Mudar a regra do tempo, transformar o calendário imaginário, esperando menos erros e mais alegrias.

Tantas coisas seriam.

Ou serão .



Yasmine Lemos



28/05/2010

quinta-feira, 27 de maio de 2010

DE REMORSO

"Há noites que eu não posso dormir de remorso por tudo o que eu deixei de cometer"
(Mário Quintana)

quarta-feira, 26 de maio de 2010

BULLYING, um novo nome para o sadismo.


Hoje é dia de blogagem coletiva e quem está à frente da idéia e do tema é minha amiga Ana Karla, que logo será uma pedagoga na luta contra esse tal de bullying que hoje aterroriza os estudantes e pais nas escolas do mundo. Como atualmente sou estudante de psicologia, preferi escrever por este ângulo, tendo como base a visão de alguns especialistas no assunto.

Bullying[1] é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully - «tiranete» ou «valentão») ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma. Fonte : Wilkipédia



Já se sabe que o seu significado mais sintetizado é agressão gratuita a uma pessoa aparentemente fraca, timida ou com algum comportamento que não se iguale aos das turmas de adolescentes da escola, digamos mais claramente, aqueles agressivos por índole ou algum problema emocional.
O problema é mundial e pesquisado há mais de 10 anos. No Brasil é mais frequente nas salas de aula o ato da agressão, já nos EUA, é mais registrado nas horas dos intervalos (recreio).
Segundo a psicanalista Elaini Marini há grupos já bem reconhecidos das vítimas:

“Os alvos são pessoas ou grupos que são prejudicados ou que sofrem as conseqüências dos comportamentos de outros e que não dispõem de recursos, status ou habilidade para reagir ou fazer cessar os atos danosos contra si. São, geralmente, pouco sociáveis. Um forte sentimento de insegurança os impede de solicitar ajuda. São pessoas sem esperança quanto às possibilidades de se adequarem ao grupo. A baixa auto-estima é agravada por intervenções críticas ou pela indiferença dos adultos sobre seu sofrimento.
Têm poucos amigos, são passivos, quietos e não reagem efetivamente aos atos de agressividade sofridos. Muitos passam a ter baixo desempenho escolar, resistem ou recusam-se a ir para a escola, chegando a simular doenças. Trocam de colégio com freqüência, ou abandonam os estudos. Há jovens, que por extrema depressão acabam tentando ou cometendo o suicídio”.
Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2009 três em cada dez estudantes já foram vítimas de bullying na escola. Pelos números da pesquisa, 35,9% dos alunos da rede privada foram humilhados por colegas contra 29,5% na rede pública.
Os adolescentes homens (32,6%) são alvo mais frequente do que as mulheres (28,3%).

Para psicologia existem dois tipos: o bullyng fisico e o moral nas vitímas, estas podem entrar em depressões e doenças do gênero ou até mesmo podem ficar com pernas e braços partidos. Uma espécie de sadismo natural e compensador para o algoz.
O que fazer?
Os especialistas e pedagogos investem atualmente na observação de cada grupo e um acompanhamento psicológico e terapeutico com a total compreensão dos pais ou responsáveis que também entram na prática da recuperação , além de recorrer a Promotoria da Infância e Juventude, quando não há posicionamento da instituição nem alguma providência dos pais dos agressores.

Ana Karla, espero ter ajudado nas informações e na blogagem e que o problema um dia seja matéria do passado.

Yasmine Lemos
26/05/2010

terça-feira, 25 de maio de 2010

sábado, 22 de maio de 2010

ILUSÃO


Se não fosse a ilusão, o que seria das almas insones e inquietas.

Espera tardia, infame. Decepção dos acordados. Alegria dos dormentes pela vontade de existir.

Precipício sem sustos com pés escorregadios. Fantasia pequena como uma fração de sonho.

Gigantesco sentimento vagando sem peito para ter parada.

Porto sem chegada.

Vício condenável a quem ousa.

Ilusão zomba, e nunca ama, discrepância minima entre realidade e sonho de felicidade.



Yasmine Lemos

22/05/2010

sexta-feira, 21 de maio de 2010

MÁRIO

AS INDAGAÇÕES

"A resposta certa, não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas".

(Mário Quintana)

TIM MAIA

quinta-feira, 20 de maio de 2010

QUIETUDE



É preciso o silêncio.

Quero silêncio

Nem um olhar eu necessito

Quebraria meus ossos

Nada

A quietude procuro

Assim escuto tudo que me absorve e domina.

Maneira sutil e eterna de amar.



Yasmine Lemos

20/05/2010

quarta-feira, 19 de maio de 2010

DE PICARETAGENS E MARRETADAS - POR ALEX MEDEIROS

Transcrevo o texto lúcido do jornalista Alex Medeiros sobre a copa de 2014 que poderá ser aqui em Natal.






Tudo por apenas R$ 12,00. É o preço que o leitor paga para entender com detalhes todos os esquemas de fraudes e negociatas que são feitos em torno de uma Copa do Mundo, principalmente em países pobres, com governantes e políticos promíscuos.



Doze reais é o custo de capa da revista Piauí, cuja última edição, nº 44, traz uma das mais bem elaboradas reportagens já publicadas no Brasil sobre os negócios da FIFA e, por conseguinte, da CBF e seus patrocinadores/cúmplices. Um primor de jornalismo.



Assinada pela jornalista Daniela Pinheiro, aquela mesma que foi bastante elogiada por gregos e troianos quando entrevistou José Dirceu, a matéria é de uma clareza cristalina, um texto didático e extremamente pontual sobre cada passo do evento esportivo.



Daniela revela os bastidores mercadológicos que envolvem poderosas marcas e empresas de jornalismo que garantem o controle emocional das multidões ignorantes que pensam estar contribuindo com o futuro alimentando os lucros privados.



Cita estudos e livros de pesquisadores que comprovaram com números e dados científicos a farsa do tal “legado da Copa” tão decantado em profusão por agentes públicos a serviço dos interesses privados de políticos e empreiteiros.



Aquilo que eu sempre repito aqui, sobre a ausência do famigerado legado no México, único país do mundo a realizar duas copas em apenas 16 anos, fica bem claro no competente texto da repórter, que tem quase duas décadas de experiência.



O envolvimento oportunista dos políticos sul-africanos na defesa da Copa 2010 lembra uma certa aldeia brasileira que em poucas coisas se diferencia da África. A ilusão de 150 mil empregos sazonais que sumirão após o jogo final da disputa mundial.



Todos os livros e pesquisas destacados pela Piauí comprovam com dados seguros o grande engodo que é o legado da Copa, apenas uma retórica que compra a consciência de cidadãos de baixo intelecto, mas que agem como parceiros voluntários da CBF.



É importante que os leitores entendam o que está por trás de uma Copa, de como o dinheiro público se transforma num festival de derrame que recheia cofres de terceiros. Não precisa ficar contra o evento – como EU – mas é preciso defender o erário.



A leitura da revista Piauí (apenas R$ 12,00) vem a baila num momento bem apropriado, quando alguns apaixonados por futebol se articulam para organizar uma passeata ao estádio Machadão, em Natal, de marretas na mão para simbolizar sua demolição.



A iniciativa, diga-se, não é dos picaretas que estão na órbita da operação de aprovar o projeto da Arena das Dunas, preocupados apenas com a gorda verba do BNDES a fundo perdido. Mas a idéia da passeata não poderia ter ocorrido em melhor hora.



Vamos batizá-la de PASSEATA DOS MARRETEIROS, mesmo que aqueles que engrossem o cordão dos iludidos não sejam os verdadeiros espertalhões que querem a Copa do Mundo apenas pela enorme facilidade de ganhar suas bolas no oficial.



Leiam a Piauí, rapazes! Assessores ávidos por mostrar serviço; puxa-sacos doidos para locupletarem-se; jornalistas eufóricos com os gomos da bola; publicitários pseudo-civilistas; comerciantes sedentos na ignorância; empreiteiros sedentos na esperteza.



Vão à luta MARRETEIROS, convoquem os PICARETAS para vossa passeata, arranquem o naco de cimento que lhes cabe na concretude das negociatas daqueles que lucrarão sozinhos com a Copa 14. Talvez vocês comam a grama do day after.



EM TEMPO: este colunista tem uma opinião distinta das duas bandas em conflito. Não quero a Copa 14 em Natal, prefiro ir assistir aos jogos no Rio. Mas sou a favor que o Machadão dê lugar a um pequeno estádio, tipo o Frasqueirão, para comportar o tamanho real do futebol papa-jerimum.



E leiam a Piauí, não esqueçam.

TITÃS

terça-feira, 18 de maio de 2010

CENSURADO NOS EUA

EARTH SONG by MICHAEL JACKSON (CENSURADO NOS EUA)

O vídeo é do single de maior sucesso de Michael Jackson no Reino Unido, que não foi nem "Billie Jean", nem "Beat it", e sim a ecológica "Earth Song", de 1996. A letra fala de desmatamento, sobrepesca e poluição, e, por um pequeno detalhe, talvez você nunca terá a oportunidade de assistir na televisão.

O Detalhe: "Earth Song" nunca foi lançada como single nos Estados Unidos, historicamente o maior poluidor do planeta. Por isso a maioria de nós nunca teve acesso ao clipe.

Vejam, então, o que os americanos nunca mostraram de Michael Jackson.

Filmado em África, Amazónia, Croácia e New York.







segunda-feira, 17 de maio de 2010

O MEU ERRO FOI CRER

foto:internet

O primeiro show que assisti foi o deles. Final dos anos 80, o Palácio dos Esportes lotado. Era a primeira vez que saía de casa com motivos verdadeiros de adoração por ídolos que invadiam minha alma de adolescente, afloravam meu romantismo pop-rock. Inesquecível o show, e todas as músicas que curtia saboreando um gosto falso de liberdade limitada aos segredos de agenda de colégio.

Passando como o tempo, eu mudei e bastante, mas não me esqueci dele e de sua voz rouca. Quanto tempo se passou, e nas férias deste ano encontro o vocalista do meu primeiro show no mesmo hotel que eu estava. Relutei um pouco em chegar perto, mas a vontade de conhecê-lo pessoalmente foi maior. O cenário que vi não foi dos melhores. Lá estava Herbert Vianna e o mar, uma sala imensa, redes vazias ao redor, sentado na cadeira de rodas, o olhar fixado na imensidão. Uma variação de sentimentos e um silêncio gigante que me fez apenas observá-lo. Eu com meu filho no colo, quando percebi não tinha mais vontade de dizer nada, a postura triste, talvez seca do cantor, não me deixou falar.

Respeitar o silêncio alheio é não arriscar que ultrapassem mais tarde a linha do nosso sacrário. Acho que as ciladas do seu destino também o fez mudar, mas eu no meu impulso de adolescente acordado no meio de um tempo mudado, não pensei que as coisas também mudassem para aqueles que nos decifram e em algumas fases da nossa vida e nos cativam por simples frases em melodias, tons e letras que jamais esqueceremos.
Em segundos pensei na minha agenda do colégio, dos meus LPs gigantes, enquanto o silêncio se perpetuava como um grito me mandando sair. Fiquei, afinal foi ele quem disse numa música: "Não sei bem certo, Se é só ilusão, Se é você já perto, Se é intuição, Aonde quer que eu vá, Levo você no olhar..."

Foram poucos minutos e não tive coragem de conversar, minha saída foi olhar para o mesmo mar que ele, talvez no desejo em vão de sentir e achar algo que ali estivesse. Passei a conversar com meu filho ao lado da sua cadeira e disse que ele tinha sido um ídolo na minha adolescência, que curtia suas músicas e que continuava a admirá-lo, ele olhou para o meu lado rapidamente e estendeu sua mão e agradeceu friamente, sem um sorriso nos lábios. Quase pedi desculpas pela invasão, como em outra música dele: " ...o seu exército invadindo o meu país..."



Se invadi, não me arrependo, busquei e descobri um homem e não o ídolo, que bom, somos todos iguais. Agora sei que ele tinha razão quando deixou para nós uma das suas melhores composições, "Meu Erro" e eu saí com ela na minha cabeça. "... eu quis dizer você não quis escutar, agora não peça, não me faça promessas... o meu erro foi crer que estar ao seu lado bastaria"



Yasmine Lemos

Janeiro de 2009



QUANDO A IMAGINAÇÃO É VERDADE


A imaginação é a mais pura verdade. Assim descrevo o movimento dos espirais. Coloridos e inquietos. Redemoinhos, cataventos, rolos de sonhos imperfeitos e que não são mentiras, só um espaço imenso, uma estrada longa entre olhos e pensamento.

Imaginar que estou correndo ou voando não faz de mim uma mentirosa, de fato ultrapasso o limite. Não converso com flores, mas sinto o cheiro do perfume. Não conheço pedras que me machucam, sinto dores se piso no lugar errado. Não sei se a flor sente dor ao ser sugada, mas sinto pena da breve beleza que ela carrega, conto os dias em que as olho e as cores fugiram com seu doce. E guardo na imaginação o retrato da sua juventude inocente, sem conhecer que a natureza não perdoa nem a delicadeza. Uma verdade dentro da mentira que imagino pensar a rosa, sabendo que no jardim existe somente a espera do tempo.

Agora ouço barulhos de algo forte que bate na parede, e assim imagino o homem, com seus braços para cima segurando ferramentas pesadas, e os músculos exaustos de cansaço simples e mediano, mas não imagino só esforço, imagino o descanso, quando aquele corpo deita-se no seu digno lugar do sono real e tranquilo, como sua consciência leve depois de um trabalho pesado.

Não sou mais feliz que ele, a minha imaginação as vezes é que é a verdade alheia, e isso me torna menos avessa à realidade grosseira. Abrir os olhos antes do sol me causa uma estranha sensação de chegada primeira no dia que ainda espera a maioria, imaginação e consolo, para quem não sabe no sono, descansar o que passou. Vencedora da calada da noite, que nada tem a oferecer, se não abrir gavetas do peito e remontar meus espaços aquecidos pela vontade na felicidade.

A verdade da imaginação está nas rodas mais ou menos fechadas de conversas pesadas e sorrisos tristes, enquanto observo que muito mais do que real, é a mentira nos lábios de quem não aguenta a solidão e fere quem está ao lado. Uma fisgada na pele de outro que não tinha a intenção de chorar. Imaginação da minha mente, baseada na verdade de quem sente a dor e de quem fere sem sentir, como a abelha e a flor. Uma no seu sentido visível e a outra no imaginário de quem toma para si o sofrimento alheio.

Como quem diz: -eu sei o que está sentindo... mas não sei explicar.

Desenhar o quadro do problema na mente e não saber que as zonas de circunferências são mais necessárias do que o ângulo central. Todos assistem a cena, mas ninguém enxerga o real.

Busco um pouco da rapidez do menino que vai descendo a rua, da alegria do trabalhador, do instinto de bondade na luta para que tudo vire uma verdade absoluta. Alugo um pouco de mim, e ouço os gemidos e sorrisos, sentindo nos corpos cansados ou alegres as mentiras que não existem no seu formato físico, mas na viagem de cada mente que só pensa o que é verdade, esquecendo da mentira luminosa que cega o critério do mundo dos sensíveis. Sonhe, mas não esqueça que a verdade não passa de uma imaginação inconstante, nem que seja na ilusão da gente.



Yasmine Lemos



sábado, 15 de maio de 2010

sexta-feira, 14 de maio de 2010

VAGAR


Enquanto escrevo bobagens sinto uma sombra a me rondar.

Será um sentimento vagando, fugitivo de algum peito ferido?

Sendo, entras na minha alma, e descansa por aqui.

Um modo de estar

Existir

Formar

Cumplicidade silenciosa no mesmo corpo

Com duas almas.



Yasmine Lemos

14/05/2010

quinta-feira, 13 de maio de 2010

NOSSA SENHORA DE FÁTIMA



Hoje é dia da Abolição e  de Nossa Senhora de Fátima. Abaixo um pouco de sua história.
"Nossa Senhora Rogai por nós que recorremos a vós".

No dia 5 de maio de 1917,durante a 1º guerra mundial, o papa Bento XV convidou os católicos do mundo inteiro para se unirem em uma cruzada de orações para obter a paz com a intercessão de Nª Senhora .Oito dias depois a Beatísima Virgem dava aos homens a sua resposta,aparecendo a 13 de maio a três patorinhos portugueses, Lúcia de 10 anos, Francisco de 9 e Jacinta de 7.A senhora marcou com eles um encontro naquele mesmo lugar, um lugar espaçoso e descampado denominado Cova da Iría, para dia 13 de todo mês. Lúcia , a maiorzinha, recomendou aos primos para não contarem nada em casa. Mas Jacinta não soube guardar o segredo e no dia 13 de junho, os três pastorinhos não estavam mais sozinhos no encontro.



No dia 13 de julho Lúcia hesitou em ir ao encontro porque os pais a havia maltratado, mas depois se deixou convencer por Jacinta e foi precisamente durante a 3ª aparição que Nª Senhora prometeu um milagre paa que o povo acreditasse na história das três crianças. A 13 de agosto os três videntes, fechados no cárcere, não puderam ir a Cova da Iría.



A dia 13 de outubro, último encontro, setenta mil pessoas lotavam o lugar das aparições e foram testemunhas do milagre anunciado: o sol parecia mover-se medrosamente, como se estivesse para destacar-se do firmamento, crescendo entre as chamas multicores.. Nossa Senhora, em momentos sucessivos, ia aumentando os prodígios para persuadir da sua mensagem, para dar a sua resposta que empenha em todos os cristãos: "Rezem o terço todos os dias; rezem muito e façam sacrifícios pelos pbres pecadores; são muitos os que vão para o inferno por não haver quem se preocupe em rezar e fazer sacrifícios por eles... A guerra logo vai acabar, mas se não pararem de ofender ao Senhor,não passará muito tempo para vir outra pior. Abandonem o pecado de suas próprias vidas e procurem eliminá-lo da vida dos outros, colaborando com a Redenção do Salvador."



Ao constatar-se o fato da 2ª guerra mundial os cristãos lembraram-se da mensagem de Fátima. Em 1946, na presença do cardeal legado, no meio de uma multidão de oitocentas mil pessoas,houve a coroação da estátua de Nª Senhora de Fátima.Em 1951, PioXII estabeleceu que o encerramento do Ano santo fosse celebrado no santuário de Fátima.



A 13 de maio de 1967, pelo 50º aniversário das aparições de Nossa Senhora, o papa Paulo VI chegou a Fátima, onde guardava, juntamente com um milhão de peregrinos, que haviam passado a noite ao relento, Lúcia, a vidente Lúcia.



ADRIANA

quarta-feira, 12 de maio de 2010

COMÉRCIO



Viver é um comércio desenfreado. Por isso vivo sempre contando pensamentos. Momentos sou vitrine, outras que mesmo me consome. Um esgotamento de tudo que não sei onde está, parece que aqui por dentro, reclamando liquidação.



Yasmine Lemos

12/05/2010

terça-feira, 11 de maio de 2010

FREJAT.."..a vida do teu filho desde o fim até o começo"

REPROVADA


Vez por outra ando em pontas de cacos. Os pés rasgam as pontas, não me rasgo.



Cato gotas de um amor derramado e embaixo dos meus pés espinhos tricandos com a ponta dobrada. Não foram eles que me feriram ,mas a pele calejada de tantos sentimentos quebrados.


Percebo que nada era meu, nunca foi meu, nem as flores, nem restos de perfume, nunca tive algo sonhado,estive querendo em algum lugar ser.


Plantar e colher. Sangrar será sempre um resultado natural.


Sou reprovada de nascença no amor. Não sei lhe dá com suas matemáticas.






Yasmine Lemos


11/05/2010

segunda-feira, 10 de maio de 2010

AFFONSO


ASSOMBROS



Às vezes, pequenos grandes terremotos

ocorrem do lado esquerdo do meu peito.



Fora, não se dão conta os desatentos.



Entre a aorta e a omoplata rolam

alquebrados sentimentos.



Entre as vértebras e as costelas

há vários esmagamentos.



Os mais íntimos

já me viram remexendo escombros.

Em mim há algo imóvel e soterrado

em permanente assombro.

 

Affonso Romano de Sant'Anna (Lado Esquerdo do Meu Peito)



sexta-feira, 7 de maio de 2010

MEU AMOR


DONA

Tentei fazer um poema



dizendo tudo que sinto


não consegui


as letras tropeçam e se repetem num eu te amo, te amo, te amo


as palavras são conhecidas, usadas.



Tentei fazer um poema


com regra


concordância correta


lógica encaixada e pontuação perfeita


não consegui


as frases banais que possuo são minha maior verdade


mas usadas por quem não sabe.


descobri que o amor verdadeiro


não cabe numa folha



Tentei fazer um poema que merecesse aplauso


não consegui


o que sinto é tão simples e puro


não sou poeta, sou a dona da poesia


que saiu de mim



E hoje em minhas mãos


completa olha pra mim,


sorri e chora


me abraça e dorme.


descobri:


tentei fazer um poema e consegui!

Yasmine Lemos

quinta-feira, 6 de maio de 2010

PEITO-PEDRA-FLOR



Todo peito

Mora uma pedra

Querendo ser machucada

Chorar



Ferida

Sangrar

Até a poesia nascer

E ser contemplada



Como flor

Desconhecimento pleno da dor

De quem a admira

Até tocar o espinho.





Yasmine Lemos

04/05/2010

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...