terça-feira, 31 de agosto de 2010

A GUERRA ACABOU - TROPAS AMERICANAS SÃO RETIRADAS DO IRAQUE

 
 Foto : internet/divulgação

No dia 30 de março de 2003 as forças do EUA invadiam o Iraque contra o regime de Saddan Hussein, objetivo teoricamente oficial. Sete anos de uma guerra que matou mais de 60 mil pessoas, durante o governo de George W. Bush.

A retirada foi promessa de campanha do atual presidente Barack Obama. Hoje o mundo espera seu pronunciamento no Salão Oval da Casa Branca, marcando o fim de uma agonia e o recomeço quase que ímpossivel de um povo massacrado por invasões covardes e regimes ditatoriais.

As sequelas jamais serão apagadas, pois dentro do que restou do país existem grupos do próprio povo iraquiano que se separaram formando grupos de xiitas e sunitas, gerando uma guerra civil dentro de outra guerra, facilitando também ações violentas de todos os lados.

Segundo informações do governo americano, serão levadas tropas apenas para que seja feita a restauração do país. E até o momento existem apenas 50 mil homens no local.

Sem dúvida uma promessa cumprida, mas não podemos esquecer que os EUA  vem com a imagem desgastada diante do mundo, pela forma que se procedeu a vários confrontos. Já era tempo de cessar o fogo para alvos que já agonizavam há tempos a céu aberto.


Yasmine Lemos
31/08/2010

PARA REFLETIR

TENHO MEDO


Lendo um artigo de Lya Luft sobre a miséria no mundo, a falta de humanidade, uma angústia tomou conta  de mim.
No primeiro momento me dei conta que não estava sozinha, éramos duas, na imensidão global dos que ainda lembram dos que são esquecidos. Sempre foi cruel a sensação de impotência. Minha arma sempre foi escrever e exorcizar, alarmando poucos ouvidos , por não gostarem de saber de coisas ruins.

Tentar fazer o possível.

Sinto um medo do mundo por tudo que assisto, escuto percebo. Estamos vivendo talvez a pior fase de uma Era, onde a impunidade, a vaidade e inveja tomaram conta da mão solidária, da preocupação, do querer dividir.

Não sei o que é pior: a maldade camuflada ,mesquinha,ardilosa ou a face crua dos seus resultados, que se retratam na fome, no choro, na falta de tudo, no nada.

Crianças não deviam sofrer. Mães não deviam sentir a dor da perda. O homem justo sempre poderia ter uma longevidade e lucidez milenar. Os homens de boa vontade ainda existem?

Que acordem, que apareçam.

E.T: A foto acima foi a menos cruel que consegui, as que encontrei sobre miséria  , são tão horrendas que não tive coragem de postar.

Yasmine Lemos

31/08/2010

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

VERDADE



Era um amor tão forte

Que o ciúme deitava e rolava

Na fronha, no laço

Era um amor tão sincero

Que a saudade fazia a cama

Brincava com manha sem cansaço

Era assim, amor verdadeiro

Hoje

pedaço de gelo.



Yasmine Lemos

2005

domingo, 29 de agosto de 2010

JOSÉ AUGUSTO - MINHA HISTÓRIA

ÁGUA


O mar não pode matar a sede .

Água para molhar .

Os corpos matam a sede

Água para inundar.



Yasmine Lemos

29/08/2010

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

DE VOLTA A VIDA PELO AMOR

Mãe diz que salvou filho prematuro apenas com abraço



Bebê acorda nos braços da mãe duas horas depois que foi dado como morto pelos médicos














Que o toque e o cheiro da mãe são importantes para o bebê não é novidade. Mas podem ser mais poderosos do que você imagina. Uma mãe australiana contou como o toque trouxe seu bebê de volta à vida. Os médicos falaram que Jamie Ogg não tinha nenhuma chance de sobrevivência quando ele nasceu prematuro de 27 semanas, pesando apenas 900 gramas. Enquanto sua irmã gêmea, Emily, conseguiu sobreviver, Jamie lutou por vinte minutos, mas foi declarado morto pelos médicos. Eles o entregaram à mãe Kate para que ela e o pai David se despedissem.



Quando recebeu a notícia que seu filho não tinha sobrevivido, Kate desenrolou Jamie do cobertor, colocou perto de seu peito e começou a conversar com ele. "Ele era muito mole. Seus pequenos braços e pernas estavam apenas caindo fora de seu corpo. Dissemos a ele qual era seu nome e que tinha uma irmã”, disse. Depois de duas horas de conversar com o filho, tocá-lo e acariciá-lo, ele começou a mostrar sinais de vida. Em seguida, após sua mãe colocar um pouco de leite materno no dedo e dar a ele, o bebê começou a respirar.



Kate tem certeza de que o contato "pele-a-pele" no seu caso foi vital para salvar seu filho doente. O método conhecido por ‘mãe canguru’, que também é aplicado em hospitais brasileiros, supõe que as mães se tornem incubadoras humanas, mantendo o bebê aquecido. Sabe-se que os bebês de baixo peso que são tratados desta maneira possuem menores taxas de infecção, padrões de sono melhor e menor risco de hipotermia. Mas casos como o de Kate desafiam a ciência.
Fonte : Revista Crescer

Da blogueira: O amor é capaz de tudo, sua força não tem barreiras. Milagre que todos podem exercitar e o mundo precisa tanto.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

INVASOR


Hoje acordei menos triste
Sentindo-se menos eu
Saudade se afastando
Melancolia adormecendo
Percebendo
Alguém me querendo
Uma voz por dentro
Chamando o que é meu
Vou dormir novamente
sentir essa dor contente
Fingindo que sou eu

Yasmine Lemos

(Do livro Vestida em Versos)

terça-feira, 24 de agosto de 2010

PRIMAVERA - MÚSICA DE BRINQUEDO

Novo CD de Fernanda Takai (Música de Brinquedo) . Um trabalho lindo e bom de ouvir .

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

LARGA QUE ELE É MEU!


Sem dúvida, a eleição deste ano vai ser marcada pela confusão de estratégias para ganhar a qualquer preço.

Já falei aqui no blog sobre o que vem acontecendo por aqui, mas as coisas pioraram bastante com a propaganda eleitoral. Já não bastasse o que saía nos blogues e na imprensa escrita, agora é a vez da TV.

Pouco sei sobre politica, mas entendo que existem lados opostos com propostas diferenciadas e adversários politicos. Lado A, B e C. Aqui era assim, no Brasil era assim.

Já fui passional ao defender e levantar bandeiras, hoje sou mera cidadã decepcionada e lamentando uma democracia sendo usada de uma forma tão mercantilista e escrachada, ninguém tem mais vergonha. Há exceções, mas, o peso é mínimo, quase nada.

O primeiro ponto e acredito que seja o principal é assistir e ouvir os adversários usando a imagem do outro para não perder votos e arrancar alguns mais dos indecisos. O presidente Lula que eu saiba e ouvia muito  eram, criticas ferrenhas. Até quando participava de algumas listas de discussões, o nome dele quando era comentado tinha amor ou ódio, mas existiam partes e lados diferentes, isso faz parte de uma sociedade civilizada. Tudo mudou mesmo.

A oposição, se é que existe, não fala mais mal do presidente, fala que faz “oposição responsável” e defende também os programas de governo: bolsa chulé, bolsa escova permanente etc.

O lado (lados) da situação (são tantos partidos que o texto ficaria cansativo) se comporta como se fossem donos de um tesouro. E a fala não muda: - Eu apoio o presidente Lula! ...

Olho de peroba, verniz envelhecido é bobagem. E ficamos aqui a assistir de tudo um pouco.

Candidato que envelheceu como deputado e hoje vai a TV pedir votos, e eu procurando saber o que ele fez para nossa cidade. Candidato fantasiado de índio que faz lambedor, outro que dança para as crianças. Tem também aqueles que acham que Che Guevara ainda está vivo e só faltam cantar “caminhando e cantando” de Geraldo Vandré, tem os que se acham lindos e são mais modelos do que candidatos arrancando suspiros  das meninas dos bairros mais humildes, sem falar nas fotos que cobrem todo o lado do automóvel com pose quase sensual.

Estratégias medíocres para confundir, falo de todos os lados. Sensação de balançar a cabeça e lamentar, sorriso meia – boca.

Uma feira livre, um jogo sem critérios e sensatez.

Nós brasileiros, precisamos de uma política como ciência, utopia praticamente.

E eles todos, sem nenhuma vergonha, recorrem ao santo das causas pra lá de impossíveis, seu Luiz.



Yasmine Lemos

23/08/2010





sexta-feira, 20 de agosto de 2010

INCONSEQUÊNCIA


Qualquer sinal

Avanço

Sem área de circunferência

Vontade

Imprudência

As mãos vazias

Falso poder

Só vejo você



Yasmine Lemos

20/08/2010

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

LEONI



PREFERÊNCIA


A ferida adormecida, vez por outra acorda. Eu sinto arrepios e ouço gritos no meu peito. A oração acalenta, mas o remédio é exorcismo de muitas cicatrizes. Se fizesse, ficaria sem alma. Prefiro aguentar suas visitas repentinas a viver sem sentir. Quero navegar, me afogar , sobreviver .

Yasmine Lemos

19/08/2010

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

JOANA - JUSTIÇA ONDE ESTÁS?


A mãe da pequena Joanna Marcenal, de 5 anos, que morreu semana passada, no Rio, sob suspeita de maus tratos falou a imprensa. A menina ficou quase um mês internada em coma, mas a causa da morte só será conhecida daqui a 45 dias. Revoltada, Cristiane Cardoso Marcenal disse que Joanna "foi vítima do Judiciário desse país".



Em maio deste ano, o pai, André Rodrigues, conseguiu a guarda da menina sob a alegação de alienação parental, que ocorre quando o pai ou a mãe coloca o filho contra o parceiro. Além de perder a guarda, a mãe ficou impedida de ver a filha por 90 dias.


Cristiane revelou que o pai já havia agredido a filha em 2007


“Em 2007 ele agrediu a Joanna, existe um inquérito sobre o caso. Nós a levamos ao pediatra e havia indícios de espancamento. Fizemos exames no Instituto Médico Legal. Quando existe espancamento logo culpa-se o padrasto. Nessa época ela tinha 2 anos e meio e, quando falávamos, no assunto, Joanna só chorava. Depois eu perguntava se ela queria que eu ligasse pra ele e ela disse que o papai era mau e que ‘papai André me bateu na cabeça’. ”, disse emocionada.


A mãe da Joanna explicou que a juíza determinou que a filha fosse entregue imediatamente ao pai. “Ela foi arrancada de mim. Para evitar que isso fosse mais traumático, eu disse à Joanna que a mamãe ia voltar. Imagine uma criança ter que ficar 90 dias longe de uma mãe? Pedi na justiça, em todas as ONGs que pudessem me ajudar, procurei mil advogados, vendi um apartamento pra pagar advogado. A juíza, em nenhum momento, parou pra ouvir qualquer tipo de negociação que eu fizesse”, lamentou.



Emocionada, Cristiane disse que ainda não consegue entender o que foram os hematomas encontradas no corpo da filha quando deu ela entrada no hospital. “Se fosse queimadura de água quente deveria ter atingido a vulva. Se tivessem a escaldado em água quente deveria ter escorrido. A impressão que se dá é que sentaram a Joanna em uma chapa quente”, falou muito emocionada.



'A Joanna foi vítima do Judiciário desse país', diz a mãe da menina


A mãe de Joanna fez um apelo. “Peço às pessoas que tenham visto ou que saibam de alguma coisa, de alguma história de a Joanna ter se machucado, por favor denunciem. O que mais me indigna nisso tudo é que a história com o menino João Hélio foi ocasionada por marginais. A da menina Isabella Nardoni ocorreu com pessoas que não detinham as leis. No meu caso, a Joanna foi vítima do Judiciário desse país. A juíza tirou ela dentro de casa e a entregou pra ser morta”, revoltou-se.



O enterro de Joanna Cardoso Marcenal Marins, 5 anos, foi marcado pela revolta com a presença da madrasta da menina, Vanessa Marins. Ela foi colocada pra fora do cemitério Jardim Mesquita, na Baixada Fluminense, onde 300 pessoas acompanham o velório, na tarde deste domingo. Joanna estava com o pai e a madrasta quando foi internada no Hospital Rio Mar, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, dia 19, com convulsões, hematomas e queimaduras. Ela morreu após 26 dias internada e a polícia investiga maus-tratos.


A família da menina acusa o técnico judiciário André Rodrigues Marins, pai da criança e responsável por sua guarda desde 26 de maio, de maltratá-la. Ele não apareceu no cemitério para o enterro da filha. "Ela estava linda, bem vestida, com brinquinhos de ouro, quando foi morar com o pai e voltou um cadáver", disse, aos prantos, Luciene Marcenal, tia da menina. "Ele é um safado, acabou com uma família, não pode ficar impune", sentenciou ela, pouco antes de Vanessa Marins, madrasta da menina, tentar entrar no cemitério.


Cristiane Ferraz entregou a filha ao pai da criança no dia 26 de maio, após sentença da 5ª Vara de Família de Nova Iguaçu. Dia 19 de julho, Joanna foi levada ao hospital com uma crise convulsiva. Lá, foi atendida e liberada pela médica Sarita Fernandes Pereira. No dia seguinte, voltou lá e foi medicada por Alex Sandro da Cunha Silva, estudante de medicina que se passava por médico. Ele a liberou desacordada. Sarita foi presa e Alex está foragido.
Fonte :Globo.com , terra, R7

Da Blogueira: Justiça onde estás? Sinto medo, revolta ,pavor. Como uma juíza determina que uma criança seja arrancada dos braços da mãe por 90 dias sem contato algum? Levada pelos braços de um "pai" agressivo e que já havia registro de ocorrência? O que a excelentíssima diz do caso: A juíza Cláudia Nascimento lamentou a morte da menina destacando que, se os alegados maus tratos forem confirmados será uma surpresa, pois “até o momento, não havia prova disto nos autos do processo que tramita neste Juízo de Família”.
Ela apenas lamenta e Joanna está morta.
E a sociedade grita e reclama para quem? Quem me responde alguma pergunta? Horror! é o que sinto, dor por tantas mães e casos de justiças que são tratados como coisas banais. Joanna está morta e ponto final .
Espero como cidadã que este país mude, que a legislação mude , que as leis melhorem. As eleições estão chegando, e não é possível que  a população continue a votar em deputados  corruptos , galãs do cinismo e canalhas .

Yasmine Lemos
18/08/2010

terça-feira, 17 de agosto de 2010

UM QUASE CONTO... II


...Alto e gordo. Moreno claro, olhos cor de mel, bigode imenso e cheio, expressões físicas de um mexicano, mas era do sertão nordestino. Os cabelos brancos e lisos, uma figura quase interessante, que combinava com o cenário local.

Saía de casa, madrugada, todos os domingos. Na missa, primeiro banco à esquerda, ao lado sua senhora, Dona Herta. Rezava salve rainha, credo e pai nosso. Abria a boca num bocejo cálido e com cheiro de café moído e loção de barbear. Era um grosseiro genuíno.

Com seus 76 anos, ele guardava um caderno antigo de capa dura e com páginas amareladas.

Ninguém sabia o seu conteúdo, parecia que as paredes da fazenda tinham olhos cúmplices. Vez por outra, depois que o sol voltava para dormir, ele sentava na sua cadeira de balanço e escrevia ,e às vezes apenas lia,fechava o velho caderno e dormia no seu cantinho.

Um dia não acordou na hora certa. Família aflita, ele havia viajado de uma vez. Choros e velas. Dias passados. E o caderno guardado.

Arrumando o quarto, a viúva num misto de desobediência e curiosidade, abriu o caderno. Era um livro de poesia que seu Zoé escreveu durante todo o seu casamento. Poesias felizes, poesias fortes e falando de amor. Na contracapa uma observação com letras desenhadas:

“-O caderno é seu, o meu amor que não soube demonstrar, sempre foi seu, menos os carinhos e os fatos que não deixei que acontecessem por uma razão que talvez possa explicar numa certeza: um amor nítido que sai de você que não me deixava pensar.”

Ela rasgou o caderno, talvez ainda desse tempo de viver algumas poesias.


Yasmine Lemos

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

REFERÊNCIA


Imito

Sigo

Procuro

Não acho.

Mas se você cair

As dores terei que sentir

Como bicho que cala no colo

Afago compassivo

Amor só pra consolo.



Yasmine Lemos

(Poema do  livro Vestida em Versos)

domingo, 15 de agosto de 2010

COM LICENÇA PESSOA

Meu amor

sábado, 14 de agosto de 2010

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

MEU CORAÇÃO DEMODÊ



Tenho um coração de memória implacável .
 Eu sempre implorando sublimação.
Ele não esquece nem um sim,
Nem um não.
Parada bruta .
Nem a mim concede perdão .

Yasmine Lemos
13/08/2010

SEXTA - FEIRA 13

Soldado israelense aponta arma para mãe palestina e seus filhos


Todo dia é sexta - feira 13

O mundo cheio de fome, violência, cinismo, maldade.

Nada de visual de “Poliana” tudo artificial como na flor da idade

Tudo cinza como a chuva e o vento .

Nada de cor de rosa para enganar o tempo

E o povo pena , e a politica engana .

Todo dia é sexta - feira 13 .

Hora de mudar o calendário.



Yasmine Lemos

13/08/2010

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

DE UM POETA NATALENSE



PSICOLOGIA

As vezes
Temos
Uma pequena
Loucura
No pulsar do poema .

(Volonté)
(Do livro Pulsar de saudade)

terça-feira, 10 de agosto de 2010

SONHO IMPOSSÍVEL

SAKINEH AGORA ENTRE A FORCA OU A LIBERDADE


O governo do Irã indicou nesta segunda-feira que a iraniana Sakineh Ashtiani, condenada à morte por adultério, deve ser enforcada, e não mais apedrejada, como havia sido estabelecido pela Justiça da República Islâmica, segundo o site do jornal "O Estado de São Paulo". De acordo com a publicação, a nova decisão se deve ao fato de Sakineh ter sido agora condenada por assassinato. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 9, pela embaixada iraniana na Noruega.

Nesta segunda, o Itamaraty confirmou ao jornal que fez uma oferta oficial ao governo do Irã para receber Sakineh como refugiada.

Segundo Mohammad Hosseini, diplomata iraniano em Oslo, o apedrejamento é muito raro no Irã e já foi decidido que Sakineh não será punida dessa maneira. Hosseini disse que a iraniana foi condenada de fato por assassinato e sua vida apenas seria poupada apenas se a família do marido morto pedisse. "Agora, está nas mãos deles se ela será enforcada ou solta", afirmou.

Nesta segunda o governo da Noruega conseguiu a liberação da mulher do advogado Mohammad Mostafaei, defensor de Sakineh. Segundo o advogado, o regime iraniano havia colocado sua mulher, Fereshteh Halimi, na solitária para pressioná-lo a se entregar. Há duas semanas, ela foi levada com dissidentes políticos à prisão iraniana de Evin.

Em Oslo, Mostafaei contou neste domingo que fugiu cruzando a cavalo a fronteira montanhosa entre o Irã e a Turquia. Detido pelo serviço de imigração turco, ele conseguiu asilo na Noruega. Na avaliação do advogado, a atuação discreta dos noruegueses garantiu sua segurança e a liberação de sua mulher.

"O governo da Noruega tomou a decisão de me acolher sabendo que poderia afetar as relações com o Irã", afirmou o advogado, que diz ter livrado do corredor da morte 14 de 40 de seus clientes. Há uma semana, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou em comício com a candidata Dilma Rousseff que o Brasil poderia dar asilo a Sakineh. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

FONTE: YAHOO

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

QUASE SONHO


Poço sem moedas de desejos.

Abro os braços

Espero o pedido

Lá embaixo

Só ecos

Peito pesa,

Como um domingo cansado.



Yasmine Lemos

09/08/2010

domingo, 8 de agosto de 2010

ACHADOS E PERDIDOS


Ponderar não consigo. Se for mapear meu coração , poderá surgir tantos continentes e rastros de tudo que se perdeu a procurar por mim.




Yasmine Lemos


08/08/2010

sábado, 7 de agosto de 2010

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

SOBRE SAUDADE


Saudade não tem nome enrosca no peito e dorme. Como cobra que o horror domina.

Saudade não tem explicação de ser, ela nem é o melhor da vida.

Existe sem formato e deforma tudo por dentro.

Sonho, luz e pensamento. Trazendo melancolia querendo lágrima sem som, sem saber pra quê querer doer. Maltratar por simples prazer.

Saudade que pesa na alma, talvez de um cheiro, do barulho que nunca se fez aqui pelo labirinto da alma.

Saudade é pior, quando o coração que ela resolve visitar não sabe tratá-la bem, como um fôlego tomado de susto.

Fingindo ser bem vinda, músicas lindas no recinto agridem a dor que ela distribui nas feridas. Os versos lidos espalhados servem de analgesia para o coração que sente.

Cheiro da alegria nasce sem saber se é passado ou presente ou algum futuro vivente.

Perfume derramado por todos os cantos, a saudade não suporta, e segue o caminho da porta do peito e vai embora.





Yasmine Lemos

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

QUEM FOR DIGNO QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA

Sakineh Mohammadi Ashtiani, mãe iraniana, pode ser executada a qualquer momento.


Uma mulher iraniana encara a morte após ser torturada por um suposto adultério.



Em 2006, Ashtiani foi condenada por ter mantido .relações ilícitas. e recebeu 99 chibatadas. Desde então, esta mulher de 43 anos está na prisão, onde se retratou da confissão feita sob a coerção das chicotadas.

Só recentemente é que ela foi levada ao tribunal e recebeu um novo julgamento. De novo ela foi condenada e, desta vez, apesar de já ter sofrido uma punição, foi sentenciada à morte por apedrejamento. Essa prática desumana envolve enrolar firmemente a mulher, da cabeça aos pés, com lençóis brancos, enterrá-la na areia até os ombros e golpeá-la à morte com pedras grandes.

Fonte:http://www.liberdadeparasakineh.com.br/

Comentário da blogueira: Que mundo ,que horror . Religião, cultura, politica, quando extrapola a diginidade humana ,não são meios de se firmar conceitos ou exemplos a serem seguidos. Caberia atualmente ,principalmente para mulheres e crianças , interferências sim de outros países ,como o caso acima citado. Liberdade para Sakineh e que as pessoas olhem mais em volta , e observem determinados sacrifícios  em nome de algum deus .

Yasmine Lemos

RICKY

terça-feira, 3 de agosto de 2010

RITUAIS


Largadas roupas

No ar

Rasgada sua vaidade

Inconsequencia sicronizada

Desbravando mundo

Dança de fogo

Sem jogo

Epiderme em solidão

Guardo as armas

Entregue o corpo

Minha proteção.



Yasmine Lemos

03/08/2010

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

ASAS


O escritor Rubem Alves, em uma de suas belas crônicas fala sobre a necessidade da poesia, do poeta, do pássaro em voo. “O poeta é aquele que ama o pássaro em voo... Não há nada mais terrível para um poeta do que um pássaro engaiolado”.

A escrita é libertação. Se não posso voar, se não sei tocar algum instrumento, criar músicas lindas, faço sonhos, invento poemas, quero dizer que ouso achar que posso ser um canal entre coração alheio e simplicidade da comunicação humana.

Procuro retirar os espinhos de flores em alguns momentos de alegria. Finjo que não existem, mesmo correndo riscos. Tentar separar sempre que puder as grades dos sonhos mais altos. Mas nem sempre é assim, existem quedas, pesadelos e asas quebradas, empurram-me de volta como um soco e atordoada, fecho todos os portais.

Posso descobrir outros mundos, universos paralelos que me permitem uma ousadia extrema, inexplicável. Já fui em terras desconhecidas, adormeci em ombros de anjos cobertos por asas.

Asas lembram pássaros, que lembram liberdade.
Poesia é o rosto de portas abertas, janelas e almas com livre acesso para o mundo .

Hoje acordei com vontade de voar, mas a força adormeceu em outro espaço, esquecida na volta de algum voo meu.

Não vou buscá-la, ela que venha atrás do meu corpo, espírito e seguiremos mais uma viagem. Num outro dia qualquer.

Yasmine Lemos

02/08/2010

domingo, 1 de agosto de 2010

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...